Exercícios de História Divididos por Tópicos – ENEM

Abaixo você encontra as provas do ENEM de História divididos por tópicos


 

Historia+ENEM1


Historia+ENEM2


Historia+ENEM3


Historia+ENEM4


Historia+ENEM5


Historia+ENEM6


Historia+ENEM7


Historia+ENEM8


Historia+ENEM9


Historia+ENEM10


Historia+ENEM11


Historia+ENEM12


Historia+ENEM13


Historia+ENEM14


Historia+ENEM15


Historia+ENEM16


Historia+ENEM17


Historia+ENEM18


Historia+ENEM19


Historia+ENEM20


Historia+ENEM21


Historia+ENEM22


Historia+ENEM23


Historia+ENEM24


Historia+ENEM25


Historia+ENEM26


Historia+ENEM27


Historia+ENEM28


Historia+ENEM29


Historia+ENEM30


Historia+ENEM31


Historia+ENEM32


Historia+ENEM33


Historia+ENEM34


Historia+ENEM35


Historia+ENEM36


Historia+ENEM37


Historia+ENEM38


Historia+ENEM39


Historia+ENEM40


Historia+ENEM41


Historia+ENEM42


Historia+ENEM43


Historia+ENEM44


Historia+ENEM45


Historia+ENEM46


Historia+ENEM47


Historia+ENEM48


Historia+ENEM49


Historia+ENEM50


Historia+ENEM51


Historia+ENEM52


Historia+ENEM53


Historia+ENEM54


Historia+ENEM55


Historia+ENEM56


Historia+ENEM57


Historia+ENEM58


Historia+ENEM59


Historia+ENEM60


Historia+ENEM61


Historia+ENEM62


Historia+ENEM63


Historia+ENEM64


Historia+ENEM65


Historia+ENEM66


Historia+ENEM67


Historia+ENEM68


Historia+ENEM69


Historia+ENEM70


Historia+ENEM71


Historia+ENEM72


Historia+ENEM73


Historia+ENEM74


Historia+ENEM75


Quinhentismo

No cumprimento de suas tarefas, portugueses colonizadores, jesuítas, viajantes aventureiros dão origem às primeiras manifestações literárias do período, cujas primeiras obras são predominantemente informativas. Seus textos, marcados pela subjetividade cultural do europeu, descrevem a fauna, a flora, os habitantes nativos e as condições de vida na terra recém-descoberta. Apesar de não ser considerada literária, essa crônica histórica tem seu valor, pois além da linguagem e da visão de mundo dos primeiros observadores do país, revelam as condições primitivas de uma cultura nascente.

Nesse primeiro século da nossa formação, a literatura informativa do colonizador português é representada inicialmente pela Carta de Pero Vaz de Caminha, relatando o descobrimento do Brasil a D. Manuel. Historicamente, é uma verdadeira certidão de nascimento do país e dá início a um período de três séculos na nossa literatura: o Período Colonial, que inclui, além do Quinhentismo, o Barroco e o Arcadismo.

Outro documento da época é O Diário da Navegação (1530) de Pero Lopes de Souza. Não é tão importante como a carta de Caminha, mas enquadra-se nas crônicas de viagens, prestando informações a futuros colonizadores e exploradores de Portugal. Sem muitos dados históricos, relata a expedição de Martim Afonso de Souza ao Brasil, em 1530, como também o comando de Pero Lopes no retorno da esquadra a Portugal. Apenas em uma ou outra passagem, faz alguma referência histórica, ressaltando a beleza da terra e de seus habitantes. Narra eventos e aponta observações náuticas e geográficas, o que o torna um documento de interesse para a história marítima de Portugal e para a da colonização do Brasil.

Essencialmente informativas, as obras: História da Província de Santa Cruz a que Vulgarmente Chamamos Brasil (1576) e Tratado da Terra do Brasil, publicado somente em 1826, de Pero de Magalhães de Gândavo, e Tratado Descritivo do Brasil em 1587 (1587), de Gabriel Soares de Souza, inauguram atitudes e lançam sugestões temáticas. Manifestações que serão retomadas por alguns escritores brasileiros pertencentes ao Modernismo, tais como Oswald de Andrade (Pau-Brasil) e Mário de Andrade(Macunaíma).

O trabalho informativo, pedagógico e moral dos jesuítas tem como expoentes as obras dos padres Manuel da Nóbrega, Fernão Cardim e José de Anchieta. Nóbrega, com a carta noticiando sua chegada ao território brasileiro, inaugura, em 1549, a literatura informativa dos jesuítas. Além da vasta correspondência em que relata o andamento da catequese e da obra pedagógica a outros membros da Companhia de Jesus, escreve o Diálogo Sobre a Conversão do Gentio (1557), única obra planejada e com valor literário reconhecível. Nela, sua intenção é convencer os próprios jesuítas do significado humano e cristão da catequese.

As obras de Cardim Do Clima e Terra do Brasil e de Algumas Coisas Notáveis que se Acham Assim na Terra como no Mar; Do Princípio e Origem dos Índios do Brasil e de Seus Costumes, Adoração e Cerimônias, Narrativa Epistolar de Uma Viagem e Missão Jesuíticarevelam um certo planejamento literário, independentemente da informação epistolar.

Quanto à valorização literária, José de Anchieta destaca-se como o único autor desta época cuja produção extrapola o caráter meramente histórico. Escreveu poemas líricos, épicos, autos, cartas, sermões e uma pequena gramática da língua tupi. Além do caráter informativo e educacional, algumas de suas criações literárias visavam, apenas, satisfazer sua vida espiritual.