Possíveis Temas da Redação do Enem 2016

20-Possíveis-Temas-da-Redação-do-Enem-2016-atualizado-730x200

 

A redação do Enem 2016 é uma das provas mais importantes do exame, e pode ser uma prova que definirá se o candidato terá uma boa nota final nas provas do Enem 2016.

A prova de redação é aplicada para que o candidato desenvolva um texto de caráter discursivo e argumentativo, onde serão apresentados vários textos base para o aluno, que deve falar sobre o assunto definido pelo Enem 2016, e presente nos textos base, com isso o candidato deve escrever um texto de no máximo trinta linhas, que discuta e opine sobre o tema proposto pela redação do Enem 2016, e que tenha introdução, desenvolvimento e conclusão, e propor proposta de intervenção que respeite os direitos humanos.

Confira aqui, quais são os Possíveis Temas da Redação do Enem 2016, e fique preparado para a prova de redação do Enem 2016, caso tenha um desses temas a ser discutido.

Endemias:

Com os constantes casos de doenças virais atualmente no Brasil e no mundo, esse pode ser um tema bem provável do Enem 2016.

 

Diálogo entre ciência e sociedade

A ciência realiza novas descobertas frequentemente, fato que possibilita melhorias e desenvolvimento de novas tecnologias. Entretanto, muitas vezes a sociedade não entende o método científico e muitas coisas são confrontadas com paradigmas culturais, morais ou religiosos. Para lidar com isso, é necessário haver comunicação entre o meio científico e a população.

 

 

  • Limites entre estética e saúde

Academia, dietas, cirurgias plásticas, anabolizantes etc. É grande a busca pelo corpo perfeito caracterizado por um padrão de beleza. Mas até que ponto a estética coincide com hábitos saudáveis? Conhecem-se muitas doenças causadas por insatisfação corporal como anorexia, bulimia, depressão, compulsão alimentar e obesidade, além de consequências no convívio social como discriminação e baixa autoestima.

 

 

  • Novos modelos de educação

Há muitos debates ocorrendo sobre as problemáticas do sistema tradicional de ensino e novos modelos de educação para o século XXI, tendo em pauta os métodos de avaliação, uso de tecnologias, interação professor-aluno, formação crítica e social etc. Um recente documentário realizado no Brasil que ajuda na discussão desse tema é o “Quando sinto que já sei” que pode ser encontrado no Youtube.

 

 

  • Dificuldades da formação universitária

A formação universitária no Brasil encontra diversos obstáculos como financeiro (o alto valor das mensalidades em faculdades privadas, custeio de transporte ou residência, materiais didáticos, alimentação), psicológico (escolha de curso, afastamento de familiares e amigos, aumento de responsabilidades, inserção no mercado de trabalho), entre outros. Ao mesmo tempo, o Estado tem criado políticas públicas como Fies, Pronatec, sistemas de cotas, criação de novas universidades etc.

 

 

  • Conceito de família no século XXI

O projeto de Lei 6583 de 2013 cria o Estatuto da Família. Nesse texto, família é definida como união entre homem e mulher. A partir disso, muitas discussões têm sido feitas sobre o conceito de família atualmente, com o intuito de refletir sobre famílias formadas por mães ou pais solteiros, avós e tios, casais homossexuais, poligamia etc.

 

 

  • Justiça com as próprias mãos

Tema bastante polêmico em 2014 e que pode ser discutido com mais imparcialidade esse ano. O combate à violência através da justiça com as próprias mãos é válido? Definições de justiça, casos de linchamentos, rebeldia com a ordem e segurança públicas são alguns pontos que abordam essa temática.

 

 

  • Obsolescência programada

Esse conceito significa a diminuição da vida útil de equipamentos com o intuito de incentivar a compra de novos produtos ou versões atualizadas. Rodeio esse tema a questão do consumismo exacerbado, resíduos eletrônicos, responsabilidade e consciência social do consumidor. Um documentário sobre esse assunto também pode ser encontrado no Youtube e ajuda no entendimento.

 

 

  • Trânsito em grandes metrópoles

Grandes cidades têm tido cada vez mais problemas com o trânsito. Muitos pontos podem ser discutidos nessa temática como a preferência dos cidadãos por transporte público ou individual, poluição causada por muitos carros, poluição sonora (buzinas em congestionamento), via exclusiva para ônibus, ciclovias, tempo gasto diariamente entre trabalho e residência, atraso nos horários e superlotação em ônibus, trens e metrôs, greves dos funcionários de transportes públicos, preços das passagens, catraca livre etc.

 

 

  • Voluntariado e transformações sociais

O trabalho voluntário no Brasil tem passado por uma transformação. Não se pensa mais no voluntariado como assistencial (doação de roupas, alimentos e agasalhos, por exemplo), mas como uma tentativa de mudança social, através de medidas inclusivas e de impacto. Outro ponto a ser considerado é a valorização que as empresas fazem de candidatos e funcionários que realizam trabalhos voluntários, assim como próprios projetos sociais realizados pelas empresas para contribuição à sociedade ou marketing.

 

 

  • Liberdade de expressão e mídia

Tema bastante atual, a liberdade de imprensa tem sido muito discutida, principalmente após o ataque à revista francesa Charlie Hebdo no início desse ano. Pode-se refletir sobre os limites entre liberdade de expressão e respeito às diferenças ou respeito à verdade.

 

 

  • Consumo de álcool e droga por adolescentes

Por lei, o consumo de álcool é proibido por adolescentes. Entretanto, é crescente o uso não só de bebidas alcoólicas mas também de drogas lícitas e/ou ilícitas entre os jovens, como cigarro, maconha, cocaína, LSD etc. As razões e consequências desse ato podem servir como base para a discussão do tema.

 

  • Limites entre humor e bullying

Os limites do humor é algo que tem chamado bastante atenção atualmente por causa de diversos processos a comediantes do Brasil como Rafinha Bastos, Danilo Gentili etc, e o constante uso de discriminação das minorias para fazer piada. A responsabilidade social do comediante foi discutida no excelente documentário de Pedro Arantes, “O riso dos outros”, encontrado no Youtube.

 

 

  • Desigualdade étnica e de gênero

O Brasil é um dos países com maior desigualdade do mundo e entre muitos tipos de desigualdade, a étnica e a de gênero costumam ser as mais discutidas, assim como os preconceitos gerados por essa situação, respectivamente, racismo e machismo. Os direitos conquistados, as lutas e reivindicações e as políticas públicas são alguns pontos que merecem ser estudados para entender a causa e argumentar com clareza.

 

 

  • Gestão de resíduos urbanos

Em 2010, foi instituída a Política Nacional de Resíduos Sólidos. A gestão de resíduos ainda é um tema bastante em alta devido à enorme quantidade de lixo produzido anualmente no Brasil. Coleta seletiva e logística reversa são alguns dos termos importantes de serem entendidos. Para conhecer mais sobre a lei e sua importância na sociedade, pode ser consultada a explicação no site do Ministério do Meio Ambiente.

 

 

Saúde pública

Problemas no Sistema Único de Saúde (SUS) como falta de médicos, atrasos, grandes filas de espera e falta de equipamentos são possíveis de serem tratados em uma dissertação. O tema também é bastante atual devido ao programa de governo Mais Médicos que trouxe médicos de outras nacionalidades (cubanos) para atuar no Brasil com o intuito de amenizar os problemas na saúde pública.

 

 

  • Abuso em trotes universitários

Todo ano, vários casos de abuso em trotes universitários são noticiados. Esse ano, um dos casos mais alarmantes foi de uma jovem que teve a perna queimada por ácido. O fator psicológico dos jovens recém inseridos no ensino superior também é pauta nessa discussão. Leia mais sobre esse tema nessa coluna.

 

 

 

  • Tráfico de drogas e violência urbana

A correlação entre o tráfico de drogas e a violência urbana, principalmente em favelas, é muito propício de discussão. Esse tema foi recentemente abordado nos filmes Tropa de Elite (1 e 2) e é sempre mencionado quando se debate sobre Legalização da Maconha, já que o combate às drogas é um dos fatores que mais causam violência e conflito entre policiais e civis no Brasil.

 

 

  • Uso da água na economia brasileira

O Estado de São Paulo passa por uma intensa crise hídrica e isso tem colocado a água no centro de grandes discussões. Uma das possibilidades de tema envolvendo a água é a sua importância em diversas atividades econômicas no Brasil como a agroindústria e a geração de energia elétrica através de hidrelétricas.

 

 

  • Saúde feminina na gravidez

A preocupação com a saúde da mulher durante a gravidez é um bom tema de redação pois nele podemos tratar várias problemáticas presentes na sociedade brasileira como o aborto não legalizado que fere e mata milhares de mulheres por ano, os maus tratos nos hospitais durante abortos espontâneos ou nos partos. O tema também é atual por causa da recente resolução que limita a quantidade de cesáreas que podem ser realizadas, o que é uma intervenção do Estado na escolha da mulher.

 

 

  • Sustentabilidade nas empresas

O termo sustentabilidade está bastante em alta no Brasil com a crescente preocupação com o meio ambiente. Nesse contexto, as empresas precisam atuar coincidindo a busca por lucros com o cuidado ambiental. Políticas empresariais e marketing verde são os pontos de destaque nessa discussão.

 

 

  • Intolerância religiosa

Novamente, o ataque à revista Charlie Habdo pode exemplificar o tema. Mas muito mais do que um caso isolado, a intolerância religiosa é grande tanto no Brasil como em outros países. Ao debater esse tema, precisamos lembrar da laicidade do Estado e do respeito aos diferentes tipos de crenças e rituais religiosos, podendo destacar, no caso do Brasil, o grande preconceito existente com religiões de origem africana.

 

 

  • Ativismo em redes sociais

Cada vez mais, as redes sociais têm sido usadas para estar em contato com a política e com movimentos sociais. Eventos são criados para marcar protestos, projetos de leis polêmicos facilmente viram virais e reivindicações têm sido feitas através de abaixo-assinado online. Essa nova forma de participação política e suas causas e consequências na sociedade é um bom tema de pesquisa e escrita.

 

 

  • Consumo e sustentabilidade:

Com a grande preocupação com o consumo consciente e a sustentabilidade esse pode ser o tema da redação do Enem 2016.

 

 

  • O papel da polícia no Brasil do século XXI

 

 

  • Idosos no Brasil Negligenciados ou Valorizados

 

 

  • Agropecuária e impactos ambientais:

Como é um tema bem discutido pela sociedade pode estar presente com tema do exame desse ano.

 

 

  • Avanços Tecnológicos:

Com os atuais avanços na tecnologia é um tema possível a ser discutido na prova do Enem 2016.

 

  • Redes Sociais:

Com os avanços das redes sociais e a crescente adesão por parte dos brasileiros é possível que o tema da redação do Enem seja sobre as redes sociais e seus impactos na vida e no cotidiano da população.

Questões ligadas aos direitos das crianças: Os temas ligados aos direitos humanos sempre é um dos preferidos pelo Enem.

Questões étnicas raciais: É um tema de direitos humanos que também é discutido pela sociedade atual.

Mudanças climáticas: O tema pode estar presente nas provas e redação do Enem 2016.

Geração de Energia: O tema também é assunto na sociedade e tem grande chance de ser o tema da redação.

Globalização e suas consequências: Na situação em que vivemos atualmente esse tema é de grande relevância.

Avanços científicos: Com os últimos avanços científicos esse pode ser o tema da redação do Enem 2016.

Movimentos Sociais: É um tema sempre atual na sociedade moderna, e pode ser o tema discutido pela redação do Enem.

Olimpíadas: Com os jogos no Brasil em 2016, esse pode ser o tema pedido na redação.

Redução da maioridade penal: Também pode ser o tema escolhido para 2016.

Mobilidade urbana: Com as grandes metrópoles em constante caos devido à dificuldade de locomoção, esse pode ser o tema.

Violência: Com as crescentes taxas de crimes e violência, esse tema é bem discutido pela população, e pode ser o tema proposto da prova.

Recursos hídricos: Com a recente crise da água no país esse pode ser um tema proposto, já que a sociedade começa a sentir o impacto e a conscientização da preservação dos recursos hídricos e naturais.

Liberdade de expressão: Com uma sociedade cada vez mais com liberdade de expressão através de muitos meios de comunicação é possível que esse seja o tema da redação.

Maus tratos de animais: Com a mudança da lei que deixa mais rigorosa a pena para quem pratica maus tratos aos animais, esse se torna um possível tema para a prova.

Igualdade de gênero: é um tema muito discutido pela sociedade, e pode ser o tema escolhido para o Enem 2016.

  • Estupro: Um tema que está sendo muito discutido face os acontecimentos neste ano.

 

  • REFORMA POLÍTICA

 

 

 

 

 

 

 

 

Unesp abre inscrições para o vestibular 2016

download (7)

 

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) abriu nesta segunda-feira (14) o período de inscrições para o vestibular 2016. Os candidatos interessados têm até às 16h do dia 13 de outubro para fazer o cadastro, no site da Fundação Vunesp (www.vunesp.com.br). A taxa do vestibular de R$ 155,00.

As provas da Unesp são realizadas em duas fases. A primeira fase será realizada no dia 15 de novembro, em 31 cidades paulistas e ainda em Brasília (DF), Campo Grande (MS) e Uberlândia (MG). A segunda fase será aplicada nas mesmas cidades, nos dias 13 e 14 de dezembro. Em 2015, o mesmo processo seletivo registrou 101.080 candidatos.

 

Isenção da taxa do vestibular
A Unesp oferece isenção da taxa de inscrição do processo seletivo para mais de 7 mil candidatos socioeconomicamente carentes. Os pedidos já foram feitos, e o resultado será divulgado em 5 de outubro, na página da Vunesp. Os candidatos também puderam pedir redução de 50% da taxa. O resultado poderá ser conferido no site da organizadora a partir do dia 28 deste mês. Além disso, os 400 mil alunos matriculados no último ano da rede pública estadual paulista, nas Escolas Técnicas do Centro Paula Souza ou na Educação de Jovens e Adultos, terão 75% de desconto na taxa, se fizerem a inscrição.

Veja dicas para disputar a mesma vaga na USP pela Fuvest e pelo Enem

 

 

Com a adesão parcial da Universidade de São Paulo (USP) ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), 13,5% do total das vagas da instituição não serão selecionadas pela Fuvest, mas sim pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

Isso quer dizer que, para os estudantes interessados em vagas de cursos que aderiram à nova seleção, haverá duas disputas no vestibular 2016, com provas distintas e, portanto preparação diferente.

Coordenadores e diretores de cursinhos pré-vestibulares apontam as principais diferenças e dão dicas de estudos. Leia nos comentários abaixo:

USP ADOTA O ENEM
13,5% das vagas vão para o Sisu

CONCORRÊNCIA DEVE AUMENTAR
Para Lilio Alonso Paoliello Júnior, diretor pedagógico da Fundação PoliSaber, a mudança é positiva, mas a concorrência aumentará e os candidatos devem se preparar ainda mais. “Alunos de outros estados poderão concorrer com mais facilidade e, por isso, a concorrência será muito mais ampla. Os candidatos devem se preparar ainda mais”, afirma ele. “Os conteúdos da Fuvest e Enem são os mesmos, mas a abordagem é diferente. O Enem aborda situações-problemas contextualizadas enquanto a Fuvest avalia o conteúdo. O Enem valoriza o aluno que tem boa leitura e escrita.”

Veja como ele descreve a diferença de abordagem das matérias pelas duas provas:

Redação: “Ambos se aproximam pela necessidade de um texto argumentativo-dissertativo, mas o Enem exige a proposta de intervenção, respeitando os direitos humanos.”

Matemática: “A maioria das questões são contextualizadas em universo próximo do estudante e tem ênfase em conteúdos do ensino fundamental I e II.”

Alunos de outros estados poderão concorrer com mais facilidade e, por isso, a concorrência será muito mais ampla”
Lilio Paoliello Júnior,
Fundação PoliSaber

Ciências humanas: “Nos dois exames há textos de autores acadêmicos, mas no Enem há maior presença de questões sobre o Brasil contemporâneo. Há também perguntas específicas de sociologia e filosofia e questões interdisciplinares envolvendo todas as disciplinas.”

Ciências da natureza: “A Fuvest apresenta estudos matemáticos e não matemáticos dos fenômenos, enquanto o Enem exige poucos cálculos.”

Linguagens e códigos: “Os dois vestibulares optam pelo estudo de gêneros textuais e cobram a gramática na perspectiva de análise da língua. A Fuvest indica livros de literatura que são base de muitas questões. O Enem, no entanto, não se atém a determinados livros e tem ênfase na literatura brasileira contemporânea. Há também questões específicas sobre arte e questões sobre movimento do corpo e esportes.”

Embora considere a mudança positiva, Lilio adverte que a concorrência aumentará e que os candidatos devem se preparar ainda mais. “Alunos de outros estados poderão concorrer com mais facilidade e, por isso, a concorrência será muito mais ampla. Os candidatos devem se preparar ainda mais”, afirma. “Os conteúdos da Fuvest e Enem são os mesmos, mas a abordagem é diferente. O Enem aborda situações-problemas contextualizadas enquanto a Fuvest avalia o conteúdo. O Enem valoriza o aluno que tem boa leitura e escrita”

É importante saber que tipo de vestibular prestará e refazer as provas anteriores”
Paulo Moraes,
Anglo Vestibulares

CONTEÚDO É PONTO DE CONTATO
Segundo Paulo Moraes, coordenador-geral do Anglo Vestibulares nos últimos anos, o Enem passou a se aproximar da Fuvest. “Especialmente nos últimos dois anos, é uma prova que também mede muito conteúdo”, afirmou ele. Embora considere as provas similares, ele explica que o Enem exige maior interpretação de texto.

“A leitura tem que ser feita com muito cuidado, porque há interpretação. Leitura de mapas, tabelas e gráficos é muito comum, mas o aluno que está preparado faz qualquer tipo de prova. Uma dica especial é cuidado com os textos”, ressalta. “É importante saber que tipo de vestibular prestará e refazer as provas anteriores.”

Redação: “As redações têm suas características próprias. O aluno deve ter repertório para fazer a redação do Enem. Mais do que saber escrever corretamente, ele deve saber desenvolver o tema.”

Conhecimentos gerais: “O aluno que prestará o Enem deve ser antenado. Ele tem que saber sobre os grandes temas da atualidade.”

Matemática: “A prova do Enem tem um nível mais leve e a da Fuvest um pouco mais pesado. Para ir bem na prova de matemática do Enem, precisa praticar muito e conhecer muito o estilo das questões. Fazer provas de anos anteriores ajuda muito nesse aspecto.”

[O Enem] é uma prova que exige muita velocidade. O grande segredo é saber selecionar as questões mais fáceis”
Rodrigo Fulgêncio,
Curso Poliedro

TEMPO DE PROVA E HUMANIDADES
De acordo com Rodrigo Fulgêncio Mauro, coordenador pedagógico da Turma de Medicina do Curso Poliedro São Paulo , cinco elementos distinguem as provas do Enem e da Fuvest. Tempo de prova, redação e as provas de filosofia/sociologia, matemática e história da arte.

Tempo: “O Enem tem menos tempo por questão. Na média, o aluno tem 3,33 minutos por questão na Fuvest – dentro deste tempo está embutido o tempo de passar [as respostas] para o gabarito. Na prática, ele tem 3 minutos por questão mais o tempo de passar no gabarito. Os alunos que vão prestar o Enem têm em média 3 minutos por questão incluindo o tempo de passar para o gabarito. É uma prova que exige muita velocidade. O grande segredo é saber selecionar as questões mais fáceis.”

Filosofia e sociologia: “É uma matéria muito mais presente no Enem e isso exige um preparo mais específico.”

História da arte: “Saber de estilos e tendências artísticas no Enem, coisa que não é comum na Fuvest.”

Referências: “Ambas apresentam texto-base como referência da maioria das questões. A Fuvest organiza as provas por disciplina e o Enem por áreas. O enunciado do Enem se liga diretamente às alternativas na maioria das questões. É necessário relê-lo em conjunto com cada alternativa.”

Redação: “O Enem tem um modelo de dissertação, mas com uma proposta de intervenção. Existe um problema que precisa ser resolvido e o aluno, na sua redação, precisa fazer uma proposta para a solução deste problema. Se preparar para esta redação é uma coisa que os alunos devem se atentar. É um estilo diferente do estilo da Fuvest.”

Fies do segundo semestre abre inscrições no dia 3 de agosto

 

O Ministério da Educação divulgou, nesta segunda-feira (27), as regras para a edição do segundo semestre do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que terá 61.500 vagas. As inscrições começam na próxima segunda-feira (3) e vão até as 23h59 do dia 6. As informações foram publicadas na edição desta segunda do “Diário Oficial da União”.

O MEC também divulgou nesta segunda, em nota, que o prazo para o aditamento de contratos já vigentes do Fies também terá início na próxima segunda (3). O prazo inclui também o aditamento de contratos que não foram renovados no primeiro semestre. “Todos os estudantes que já estão no Fies e que, por alguma razão, não realizaram o aditamento referente ao primeiro semestre de 2015 podem fazê-lo durante o período de renovação do segundo semestre, que terá início em 3 de agosto”, diz o comunicado. Segundo o MEC, há menos de 100 mil pessoas nesta situação.

Alternativas ao Fies têm juros mais altos e exigem atenção, diz educador

De acordo com o edital, as inscrições para o Fies seguirão um modelo diferente das edições anteriores. Agora, os estudantes deverão se candidatar para uma seleção por meio de um sistema semelhante ao usado no Sisutec. As inscrições serão feitas pelo site .http://fiesselecao.mec.gov.br, que, até o início da manhã desta segunda, ainda estava fora do ar.

CRONOGRAMA DO FIES
Início das inscrições 03 de agosto
Fim das inscrições 06 de agosto
Única chamada 10 de agosto
Conclusão do processo de contratação 13 de agosto

Na nova plataforma, os estudantes precisarão se inscrever para vagas já definidas pelo próprio MEC, por meio de uma portaria publicada no início do mês que abriu o período de adesão das instituições de ensino. Eles serão selecionados com base na nota do Enem.

Segundo as novas regras, só poderão participar do processo estudantes que ainda não tenham diploma do ensino superior, que tenham feito o Enem a partir de 2010, com nota final de pelo menos 450 pontos, e que tenham renda familiar mensal bruta per capita de até 2,5 salários mínimos. Professores da rede estadual estão isentos de cumprir os três requisitos, e pessoas que tenham concluído o ensino médio antes de 2010 não precisam cumprir a exigência de ter realizado o Enem, mas devem se encaixar nos outros dois requisitos.

Como será a seleção
O edital diz que “o estudante somente poderá se inscrever em 1 (um) único curso e turno de graduação dentre aqueles com vagas ofertadas no processo seletivo do Fies referente ao segundo semestre de 2015”.

Os estudantes que fizeram o Enem serão classificados de acordo com a nota final, sendo que os critérios de desempate, em caso de nota igual, seguirão a seguinte ordem: nota da redação, nota da prova de linguagens, nota da prova de matemática, nota da prova de ciências da natureza e nota da prova de ciências humanas.

Já os estudantes que não fizeram o Enem serão classificados de acordo com um cálculo que levará em consideração critérios de renda, raça, profissão e rede de ensino na qual os candidatos estudaram. Pelos cálculos, terão prioridade os candidatos com menor renda familiar bruta mensal, que se autodeclarem pretos, pardos ou indígenas, que tenham estudado na rede pública de ensino e que sejam professores de escolas públicas.

Como será a seleção
O edital diz que “o estudante somente poderá se inscrever em 1 (um) único curso e turno de graduação dentre aqueles com vagas ofertadas no processo seletivo do Fies referente ao segundo semestre de 2015”.

Os estudantes que fizeram o Enem serão classificados de acordo com a nota final, sendo que os critérios de desempate, em caso de nota igual, seguirão a seguinte ordem: nota da redação, nota da prova de linguagens, nota da prova de matemática, nota da prova de ciências da natureza e nota da prova de ciências humanas.

Já os estudantes que não fizeram o Enem serão classificados de acordo com um cálculo que levará em consideração critérios de renda, raça, profissão e rede de ensino na qual os candidatos estudaram. Pelos cálculos, terão prioridade os candidatos com menor renda familiar bruta mensal, que se autodeclarem pretos, pardos ou indígenas, que tenham estudado na rede pública de ensino e que sejam professores de escolas públicas.

Resultado
A primeira e única chamada do sistema de seleção do Fiesx vai ser divulgada no dia 10 de agosto, assim como a lista de espera dos candidatos não convocados. Depois, os estudantes da lista de espera devem acompanhar as informações pelo site.

“Após a divulgação do resultado da chamada única, havendo vaga não ocupada, é de exclusiva responsabilidade do estudante participante da lista de espera do processo seletivo do Fies acompanhar sua eventual pré-seleção na página do FiesSeleção na internet, no endereço eletrônicohttp://fiesselecao.mec.gov.br”, diz o edital.

O documento afirma ainda que a aprovação no FiesSeleção “assegura apenas a expectativa de direito às vagas para as quais se inscreveram no processo seletivo do Fies”, e que, para garantirem a vaga, os estudantes aprovados devem realizar todo o processo de contratação do financiamento pelo SisFies.

Após o resultado, os estudantes pré-aprovados na única chamada do Fies têm até o dia 13 de agosto para concluir o processo de contratação do financiamento.

Os estudantes que ficarem na lista de espera terão dez dias corridos, a partir da divulgação de sua pré-seleção no FiesSeleção, para finalizar a contratação do financiamento.

Veja abaixo as principais mudanças no Fies:

TAXA DE JUROS
COMO SERÁ: 6,5% ao ano
ANTERIOR: Antes, até outubro de 2006, eram de 9%. Depois, até agosto de 2009, passou a ficar entre 3,5% e 6,5%. Desde março de 2010 os juros são de 3,4% ano ano.

JUSTIFICATIVA: Ministérios dizem que buscam “fortalecer a sustentabilidade do programa, para que, no médio prazo, novos alunos sejam financiados pelos formados”. Outra razão é corrigir distorção com o mercado de crédito.

TETO DA RENDA FAMILIAR
COMO SERÁ: Limite é a renda per capita de 2,5 salários mínimos.
ANTERIOR: Renda familiar bruta de 20 salários mínimos.

JUSTIFICATIVA: “O Fies é para os estudantes que são mais pobres e precisam de financiamento. Não é mais (a família com renda de) até R$ 15 mil que tem direito ao Fies, são valores mais baixos, mas que ainda atingem muitas pessoas”, afirmou o ministro da Educação. O governo diz que 90% das famílias brasileiras estão no novo limite de renda.

PRIORIDADES PARA CURSOS DE TRÊS ÁREAS
COMO SERÁ: As áreas de engenharias, formação de professores (licenciaturas, pedagogia ou normal superior) e saúde serão prioritárias.
ANTERIOR: Não havia definição de critério.

JUSTIFICATIVA: Cursos são considerados estratégicos para o desenvolvimento do país ou para atendimento de demandas sociais. Alunos de outros cursos continuarão a ser atendidos.

CURSOS COM NOTAS ALTAS TERÃO PRIORIDADE
COMO SERÁ: Foco serão os cursos com notas 5 e 4 no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES).
ANTERIOR: MEC exigia avaliação positiva no Sinaes. No primeiro semestre, passou a adotar o critério e cursos com nota 4 ou 5 somaram 52% dos financiamentos.

JUSTIFICATIVA: Ministério diz que cursos com nota três no Sinaes ainda serão financiados, mas em patamares menores do que os das áreas consideradas prioritárias.

PRIORIDADE PARA TRÊS REGIÕES DO BRASIL
COMO SERÁ: Será priorizado o atendimento de alunos matriculados em cursos nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste (excluindo Distrito Federal).
ANTERIOR: Não havia recorte de prioridade para regiões ou estados. E 60% dos contratos eram com estudantes de estados do Sul, do Sudeste ou Distrito Federal.

JUSTIFICATIVA: Ministério diz que decisão se soma a “outras várias políticas sociais federais que buscam corrigir as desigualdades regionais”. Alunos de outros estados continuarão a ser atendidos, mas em patamares menores do que os das áreas consideradas prioritárias.

VALIDADADE DAS MUDANÇAS
COMO SERÁ: Mudanças só valerão para os próximos contratos.

JUSTIFICATIVA: “Você não pode mudar um contrato por vontade unilateral. O governo firmou um contrato com milhões de estudantes com determinadas regras e essas regras serão mantidas e respeitadas”, disse o ministro Renato Janine Ribeiro.

NOTAS MÍNIMAS NO ENEM
COMO SERÁ: Alunos precisam de 450 pontos na média do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) e nota diferente de zero na redação.
ANTERIOR: A mudança passou a valer para contratos firmados neste ano. Antes, só era preciso ter prestado o exame.

JUSTIFICATIVA: A iniciativa busca aumentar o nível dos profissionais formados com apoio do financiamento público, de acordo com o governo.

UNIVERSIDADES DARÃO DESCONTO EM MENSALIDADES
COMO SERÁ: Instituições participantes vão oferecer um desconto de 5% sobre a mensalidade para os estudantes com contrato do Fies.
ANTERIOR: Estudante pagava a mensalidade mais barata cobrada na instituição pelo curso.

JUSTIFICATIVA: “O governo é um grande comprador de cursos pelo Fies. Ao ser um grande comprador ele deve se beneficiar de descontos que são dados de modo geral quando você compra em grandes quantidades. Calculando 5%, quer dizer que três mil vagas das 61,5 mil são geradas por essa nova economia”, afirmou o ministro.

PRAZO PARA PAGAMENTO
COMO SERÁ: Três vezes a duração do curso
ANTERIOR: Até 2010, era de duas vezes a duração.

CRITÉROS DE DESEMPATE
COMO SERÁ: I – maior nota na redação; II – maior nota na prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias; III – maior nota na prova de Matemática e suas Tecnologias; IV – maior nota na prova de Ciências da Natureza e suas Tecnologias; e V – maior nota na prova de Ciências Humanas e suas Tecnologias.
ANTERIOR: A mudança passou a valer para contratos firmados neste ano. Antes, só era preciso ter prestado o exame.

Crescimento do Fies
A reformulação do Fies em 2015 ocorreu depois de o programa crescer de forma exponencial nos últimos anos. Ao mesmo tempo, o MEC precisou fazer ajustes no orçamento diante de cortes do ajuste fiscal.

Segundo o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), o Fies gastou R$ 13,7 bilhões em 2014.

Entre fevereiro e agosto do ano passado, o governo federal publicou três medidas provisórias para abrir crédito extraordinário para o Fies, que passou a atender também a alunos de mestrado, doutorado e cursos técnicos.

Para conter gastos, o MEC decidiu limitar o prazo para pedido de novos contratos (antes, era possível entrar com a solicitação em qualquer momento do semestre letivo), vincular a aceitação do pedido de financiamento a cursos com notas mais altas nos indicadores de qualidade, privilegiar instituições de ensino fora dos grandes centros e exigir que os estudantes interessados em contratos de financiamento do governo tivessem média de pelo menos 450 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

As novas restrições no programa, porém, se depararam com a crescente demanda dos estudantes e o resultado foi um período de instabilidade nos sistema, devido à grande procura por novos contratos, e o esgotamento da verba do Fies de todo o ano de 2015 para novos contratos.

O orçamento do Fies para novos contratos durante todo o ano de 2015 era de R$ 2,5 bilhões e, segundo o ministro, essa verba foi gasta inteiramente para atender aos 252.442 novos contratos fechados no prazo do primeiro semestre. Segundo o MEC, 178 mil pessoas tentaram celebrar novos contratos e não conseguiram.

Por isso, a segunda edição do programa para novos contratos ficou indefinida até que o governo federal finalizasse o reajuste orçamentário.

O Resultado saiu!!!! SISU 2015 – Segundo Semestre

images (3)

Sisu

2º PROCESSO SELETIVO DE 2015

Resultado da chamada regular disponível
Para participar da lista de espera
acesse o boletim até às 23h59 de 26/06

http://sisu.mec.gov.br/

Cronograma

Esta edição do Sisu contará com 1 (uma) única chamada regular e a lista de espera.
Fique atento ao cronograma!

  • 08/06 a 10/06
    Período de inscrições
  • 15/06
    Resultado da chamada regular
  • 15/06 a 26/06
    Prazo para participar da Lista de Espera
  • 19/06 a 23/06
    Matrícula da chamada regular
  • 02/07
    Convocação dos candidatos em lista de espera pelas instituições a partir desta data

O Sistema de Seleção Unificada (SiSU) 2015/2 teve seu resultado divulgado nesta segunda-feira, 15 de junho. As matrículas devem ser realizadas em 19, 22 e 23 seguintes. Esta edição contou com 55.571 vagas em 72 instituições públicas de Ensino Superior.

Como funciona o SiSU?

Os aprovados devem lembrar que a documentação exigida, assim como os procedimentos necessários, data e horário do registro acadêmico são consultados diretamente nas universidades e institutos. As vagas remanescentes serão divulgadas entre os dias 19 e 26 de junho.

O Ministério da Educação (MEC) não divulgou um balanço final até o momento, mas em sua versão parcial emitida às 18h do último dia de inscrições, 10 de junho, foram registrados 1.095.050 inscritos e 2.110.338 inscrições.

Em balanço também divulgado no dia 10 de junho, os cursos com maior concorrência eram Medicina, Direito, Administração e Engenharia Civil.

Puderam participar estudantes que participaram do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2014 e obtiveram pontuação superior a zero na Redação.

Mais informações no Edital ou pelo telefone do MEC: 0800 616161.

 

Tire Suas Dúvidas!!!!

 

 

Resultado e Matrícula
Como saber o resultado do Sisu?

O resultado do Sisu poderá ser consultado no boletim do candidato, na página do Sisu, nas instituições participantes e na Central de Atendimento do MEC, por meio do telefone 0800-616161.

Quais são os critérios de desempate?

No caso de notas iguais, o desempate entre os candidatos será efetuado considerando-se a seguinte ordem de critérios:
Maior nota obtida na redação;
Maior nota obtida na prova de Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias;
Maior nota obtida na prova de Matemática e suas Tecnologias;
Maior nota obtida na prova de Ciências da Natureza e suas Tecnologias;
Maior nota obtida na prova de Ciências Humanas e suas Tecnologias.

Como devo proceder com a matrícula caso seja selecionado pelo Sisu?

O candidato selecionado pelo Sisu deverá verificar, junto à instituição de ensino em que foi aprovado, o local, horário e procedimentos para matrícula. O prazo para a realização da matrícula está definido no cronograma disponível na página do Sisu.

É possível solicitar a transferência de curso?

O processo de transferência de curso em uma mesma instituição de ensino é regulamentado por cada instituição. Dessa forma, o candidato deve informar-se junto à instituição sobre as regras e os procedimentos.

Há algum auxílio (transporte, moradia etc.) para os estudantes selecionados?

Os programas de assistência estudantil são implementados diretamente pelas instituições, por isso os candidatos devem informar-se junto à universidade ou instituto para o qual deseja candidatar-se sobre os programas existentes.

Lista de Espera
Quem pode manifestar interesse em participar da Lista de Espera do Sisu?

Os candidatos não selecionados em nenhuma de suas opções na chamada regular e os candidatos selecionados em sua segunda opção, independentemente de terem efetuado a matrícula. A participação na lista de espera somente poderá ser feita na primeira opção de vaga do candidato.

Como faço para participar da Lista de Espera do Sisu?

O candidato deverá acessar o sistema durante o período especificado no cronograma e, em seu boletim, clicar no botão que corresponde à confirmação de interesse em participar da lista de espera do Sisu.

Atenção: Certifique-se de que sua manifestação foi realizada. Ao finalizar a manifestação o sistema emitirá uma mensagem de confirmação.

Como posso acompanhar a convocação da lista de espera do Sisu?

As convocações dos candidatos participantes da lista de espera do Sisu são realizadas pelas próprias instituições de ensino superior. Assim, é importante que os candidatos acompanhem as convocações da lista de espera junto à instituição na qual tenha manifestado interesse.

Após cortes, Pronatec perde 60% de vagas oferecidas para 2015

O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) oferecerá mais de 1 milhão de vagas este ano, informou o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro. Em relação ao ano passado, quando foram oferecidas mais de 2,5 milhões de vagas, houve redução de cerca de 60%. O programa é um dos que sofrem com o corte de R$ 9,423 bilhões do Ministério da Educação (MEC).

Questionado sobre a meta anunciada pela presidenta Dilma Rousseff durante a campanha presidencial, de mais 12 milhões de vagas no programa até o fim do segundo mandato, Janine disse que este é um ano atípico, depois de 12 anos de investimentos crescentes na educação. “Passamos de R$ 18 bilhões de orçamento do MEC, em 2002, para bem mais de R$ 100 bilhões agora. Uma vez superada essa situação e restaurada a saúde da economia, teremos condições de continuar nessa trajetória [de crescimento]”, afirmou Janine.

Em audiência pública nesta quarta-feira (10), na Câmara dos Deputados, onde falou por quatro horas sobre programas e cortes orçamentários no MEC, ele disse que um dos grandes exemplos de corte são os das obras das universidades federais. “Obras que estão avançadas não serão cortadas, porém, as obras que deveriam se iniciar, não vamos poder iniciar. Temos que administrar uma dificuldade econômica, e vamos fazer isso da melhor maneira possível. Asseguramos o custeio para universidade e institutos federais, programas de merenda, transporte e assistência escolar, o Dinheiro Direto na Escola.”

Outro programa que teve mudanças este ano foi o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). O MEC adotou regras mais rígidas tanto para os estudantes que querem financiamento quanto para as instituições privadas que fazem parte do Fies, além de limitar os financiamentos concedidos.

Na segunda-feira (8), o ministro anunciou que haverá uma segunda edição este ano, e confirmou hoje que novas condições estão sendo analisadas, como a taxa de juros, a renda familiar máxima exigida aos estudantes e a possibilidade da seleção ser feita pela nota do aluno no Exame Nacional do Ensino Médio.

Segundo Janine, o MEC negociou com as instituições privadas e houve acordo sobre todas as condições, que serão anunciadas nos próximos dias. Sobre a possibilidade de aumentar os juros e o tempo de carência, ele disse que são especulações. “[A taxa de juros] não é de 6,5%. Temos várias simulações, cada uma traz determinados efeitos, temos que integrá-las para ver como funciona, mas as principais medidas não são as econômicas, são aquelas no sentido das prioridades.”

Terão prioridade os cursos com notas 4 e 5 nas avaliações do MEC e os de engenheira, saúde e formação de professores da educação básica. Alunos das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, excluindo o Distrito Federal, também terão preferência. O Fies oferece cobertura da mensalidade de cursos em instituições privadas de ensino superior a juros de 3,4% ao ano. O estudante começa a quitar o financiamento 18 meses após a conclusão do curso.

No fim da audiência, membros da União Nacional dos Estudantes (UNE), da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e do Programa Educação para Afrodescendentes e Carentes (Educafro) manifestaram-se contra os cortes no Orçamento. O ministro ouviu os estudantes e disse que O MEC tem forte compromisso com todas as causas apresentadas, com o ensino público de qualidade e gratuito e também com a inclusão social, especialmente dos afrodescendentes.

Enem: Candidatos pobres que pagaram inscrição serão ressarcidos

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) informou nesta quinta-feira (11) que vai devolver o dinheiro de candidatos pobres que tenham pago a taxa de inscrição no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Pelas regras do edital, esses candidatos estão isentos. O prazo para o pagamento da inscrição terminou na quarta (10).

A taxa de R$ 63 é requisito para participar do exame. Além dos participantes de baixas condições financeiras, são isentos concluintes do ensino médio de escolas públicas. Os pedidos de isenção por pobreza são analisados pelo sistema.

Segundo o Inep, os participantes pobres que tiveram o pedido negado e foram obrigados a pagar a taxa, caso seja provada sua condição de pobreza, o dinheiro será devolvido. “O valor será ressarcido em data a ser definida e informada aos interessados”, diz o Inep por meio de nota. A autarquia acrescentou que o processamento das inscrições ainda está em andamento.

De acordo com o Ministério da Educação (MEC), 3,7 milhões (43,9%) dos 8,5 milhões de inscritos declararam carência. Independentemente do pagamento, o MEC pode solicitar a qualquer momento a comprovação de pobreza. Se as insformações forem falsas, o candidato será excluído do Enem.

Para serem considerados em situação de baixa renda, os estudantes precisam ter renda familiar mensal por pessoa de até meio salário mínimo ou renda familiar mensal de até três salários mínimos. Também são isentos aqueles com renda familiar per capita igual ou inferior a um salário mínimo e meio que cursaram o ensino médio em escola da rede pública ou como bolsista integral em escola da rede privada.

Inscrições para o ProUni 2º/2015 começam em 16 de junho

As inscrições para a segunda edição de 2015 do Programa Universidade para Todos (ProUni) estarão abertas do dia 16 próximo até as 23h59 do dia 18. De acordo com as regras estabelecidas em edital publicado nesta-segunda-feira, 8, o processo prevê uma única etapa de inscrições, exclusivamente pela internet.

O programa terá duas chamadas on-line. A primeira, no dia 22 deste mês; a segunda, em 6 de julho, ambas na página do programa na internet.

Para fazer a inscrição, o candidato deve ter participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014 e obtido no mínimo 450 pontos na média das notas. Não pode ter tirado nota zero na redação. No momento da inscrição, será necessário informar o número de inscrição e a senha usados no Enem e o Cadastro de Pessoa Física (CPF). Ao se inscrever, o candidato pode fazer até duas opções de curso e instituição.

Criado pelo governo federal em 2004 e institucionalizado pela Lei nº 11.096, de 13 de janeiro de 2005, o ProUni oferece a estudantes brasileiros de baixa renda bolsas de estudos integrais e parciais (50% da mensalidade) em instituições particulares de educação superior que ofereçam cursos de graduação e sequenciais de formação específica. Podem fazer a inscrição os egressos do ensino médio da rede pública ou da rede particular, estes na condição de bolsistas integrais da própria escola.

Para concorrer à bolsa integral, o candidato deve comprovar renda familiar por pessoa de até um salário mínimo e meio. Para as bolsas parciais, a renda familiar deve ser de até três salários mínimos por pessoa.

Estão dispensados dos requisitos de renda os professores em efetivo exercício do magistério da educação básica integrantes de quadro de pessoal permanente de instituição pública. Eles concorrem exclusivamente a bolsas para cursos de licenciatura.

O cronograma e demais procedimentos relativos ao processo seletivo deste segundo semestre constam do Edital nº 18/2015 da Secretaria de Educação Superior (Sesu) do Ministério da Educação, publicado no Diário Oficial da União desta segunda-feira, 8. As inscrições devem ser feitas na página do ProUni na internet.

 

Como calcular a renda familiar por pessoa?

A renda familiar por pessoa é calculada somando-se a renda bruta dos componentes do grupo familiar e dividindo-se pelo número de pessoas que formam este grupo familiar. Se o resultado for até um salário mínimo e meio, o estudante poderá concorrer a uma bolsa integral. Se o resultado for maior que um salário mínimo e meio e menor ou igual a três salários mínimos, o estudante poderá concorrer a uma bolsa parcial de 50%.

Entende-se como grupo familiar a unidade nuclear composta por uma ou mais pessoas, eventualmente ampliada por outras pessoas que contribuam para o rendimento ou tenham suas despesas atendidas por aquela unidade familiar, todas moradoras em um mesmo domicílio.

O Prouni reserva cotas para afrodescendentes, indígenas e para as pessoas com deficiência?

Sim, o Prouni reserva bolsas às pessoas com deficiência e aos autodeclarados indígenas, pardos ou pretos. O percentual de bolsas destinadas aos cotistas é igual àquele de cidadãos pretos, pardos e indígenas, em cada Estado, segundo o último censo do IBGE. Vale lembrar que o candidato cotista também deve se enquadrar nos demais critérios de seleção do Prouni.

Fonte: http://prouniportal.mec.gov.br/

Inscritos no Sisu superam marca de 1 milhão

O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) ultrapassou 1 milhão de inscritos, segundo o Ministério da Educação (MEC). Esta quarta-feira (10/06/15) foi o último dia do prazo para fazer a inscrição no site do programa. Os estudantes também podem consultar na página as últimas notas de corte de cada curso, divulgadas às 8h. Esta edição vai oferecer 55.576 vagas em 72 instituições públicas. No meio do ano passado, o número de inscritos alcançou recorde de 1.214.259.

O Sisu seleciona estudantes para vagas no ensino superior público com base nas notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Para participar do Sisu, o candidato precisa ter feito o Enem de 2014 e não ter tirado zero na redação.

O resultado será divulgado no dia 15 deste mês, em uma única chamada. A matrícula deverá ser feita na instituição de ensino, nos dias 19, 22 e 23.No momento da inscrição, o candidato deve escolher, por ordem de preferência, até duas opções entre as vagas ofertadas pelas instituições participantes do Sisu.

Lei de cotas

Também deve definir se deseja concorrer às vagas de ampla concorrência ou às vagas reservadas de acordo com a Lei de Cotas (Lei 12.711/2012). As cotas são destinadas a estudantes que cursaram integralmente o ensino médio em escolas públicas. Nesta edição do Sisu, pelo menos 37,5% das vagas serão para cotistas.

Durante o período de inscrição, uma vez por dia, o Sisu calcula a nota de corte que é a menor pontuação para ficar entre os possíveis selecionados para cada curso, com base no número de vagas disponíveis e no total dos candidatos inscritos, por modalidade de concorrência. A nota é apenas uma referência e não uma garantia de que o estudante será selecionado. Até o fim do período de inscrição o candidato pode mudar de opção de curso.

Quem não conseguir uma vaga na chamada regular pode participar da lista de espera inscrevendo-se na página do Sisu, na internet, entre os dias 15 e 26 de junho. Em 2014, cerca de 6,2 milhões de candidatos fizeram o Enem em todo o País.

Para acompanhar as inscrições, o MEC lançou o aplicativo gratuito do Sisu que pode ser baixado nas lojas do Android e do WindowsPhone ou pela página de dispositivos móveis do Sisu.

Fonte:

Agência Brasil

Inscrição para Enem termina com 7,8 milhões de candidatos

As inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2015 terminaram nesta sexta-feira (5) com ao menos 7,8 milhões de candidatos, segundo balanço feito até as 20 horas e divulgado no site do Ministério da Educação (MEC). O prazo expirou às 23h59. Já o pagamento da taxa de inscrição, no valor de R$ 63, deve ser sido feito até as 21h59 da quarta-feira (10/06/15). Estão isentos os concluintes do ensino médio em 2015 matriculados em escolas da rede pública e as pessoas que se declararem carentes, ainda de acordo com o MEC.

A nota do Enem é usada como critério de acesso à educação superior por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que oferece vagas em 115 instituições públicas, e do Programa Universidade para Todos (ProUni). A participação na prova, diz o MEC, é ainda requisito para receber o benefício do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), participar do programa Ciência sem Fronteiras ou ingressar em vagas gratuitas dos cursos técnicos oferecidos pelo Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica (Sisutec).